Nas próximas linhas vou compartilhar um pouco do que aprendi em uma viagem de 9 dias que fiz para a China. Ao final dele, vocês vão entender claramente porque fiquei muito assustado com tudo que vi lá. Antes, gostaria de fazer algumas ponderações:

 

O robô terá como função replicar as ações de um  humano e realiza tarefas repetitivas, automatizando processos

Investir em tecnologias que promovam melhorias de produtividade tem sido um dos compromissos da Fundação São Francisco Xavier (FSFX) ao longo dos anos. Recentemente, a instituição implantou no setor de contabilidade a tecnologia Robotic Process Automation (RPA). O robô, apelidado de Chico, é programado para executar tarefas sem intervenção humana na área contábil da FSFX, como registro de notas fiscais de aquisição de produtos e serviços.

As soluções de RPA imitam a jornada manual que um trabalhador humano teria de seguir para executar uma determinada tarefa, usando uma combinação de tecnologias geradas a partir da interação com os usuários. A implantação do Robô Chico aperfeiçoará os processos contábeis da FSFX e proporcionará mais agilidade na realização das tarefas diárias que antes necessitavam da atuação humana. Além de contribuir para a eficácia das atividades, aumentando o nível de conformidade e a velocidade na realização das tarefas por meio de recursos tecnológicos e sistemas avançados.

A FSFX recebe uma média mensal de 15 mil notas fiscais e um colaborador necessita de sete minutos e quatro segundos para registrar cada documento. Com o Robô Chico, o tempo de execução dessa atividade será reduzido para dois minutos e 40 segundos, permitindo a otimização do movimento mensal da contabilidade. “O objetivo do robô é reduzir o tempo de realização das tarefas do setor contábil, aumentar a produtividade e garantir mais assertividade. Assim, tarefas repetitivas que eram realizadas através da intervenção humana,  passarão a ser executadas pelo Chico de forma automatizada e ágil”, explica o diretor executivo Luís Márcio Araújo Ramos.

Outra vantagem proporcionada pela utilização do robô é o controle de grande volume de informações, o que garante exatidão das contas, facilitando assim a autenticação e verificação dos documentos, eliminando falhas humanas que poderiam ocorrer durante esses processos. Para a incorporação da nova tecnologia, a FSFX contou com a consultoria de uma empresa especializada em RPA que mapeou as oportunidades de atuação do robô e desenvolveu a solução em parceria com o setor contábil da Instituição.

Para Luís Márcio, ‘a chegada do Chico’ demonstra a evolução dos processos corporativos da Instituição. “Com a transformação digital, cada vez mais instituições tem investido em inovação e a FSFX já utiliza inteligência artificial em diferentes áreas. O ‘Chico’ realizará as tarefas operacionais e de alto volume, pois o software desenvolvido consegue repetir os processos por conta própria, em uma alta velocidade e quantas vezes for necessário. Assim, os colaboradores poderão se dedicar a tarefas realmente importantes para os negócios da FSFX e que necessitam de um toque humano. Com isso, reforçamos o nosso compromisso de estar sempre investindo em inovação e tecnologia, com foco na melhoria de processos e no ser humano”, disse.


fonte: https://portalnegociosja.com.br/chico-a-inteligencia-artificial-da-fsfx/